segunda-feira, 3 de março de 2008

Corinthians 0 x 1 Palmeiras

Por Juca Kfouri

O primeiro tempo foi tão brigado entre Corinthians e Palmeiras que os dois times pareciam ter se esquecido que o objetivo do jogo é o gol.

Tanto que a primeira emoção mais forte só surgiu aos 33 minutos, quando Diego Souza cabeceou no chão, rente à trave, e Júlio César fez excelente defesa.

Antes disso, só luta.

Luta e dois erros de arbitragem, um grave, outro leve.

O grave foi a interrupção de um ataque alviverde por impedimento inexistente de Valdívia, em lance que o chileno ficaria cara a cara com o gol.

O outro erro, leve, no contra-ataque deste lance, quando Herrera chutou cruzado, Gustavo cortou para escanteio e o árbitro marcou só tiro de meta.

Em seguida, mais um erro, agora gravíssimo: pênalti de Diogo Rincón em Valdívia.

Árbitros erram muito, como se vê, assim como jogadores.

Diego Souza, por exemplo, deu uma pegada tão forte em Bóvio que merecia ser expulso de campo.

E Lulinha foi tão fominha que deixou de dar a André Santos o possível gol de abertura do placar no Morumbi, no finzinho do primeiro tempo.

No segundo tempo a primeira sensação de gol foi corintiana, depois que Marcos defendeu parcialmente um chute de Herrera e Diogo Rincón, impedido, chutou para a rede, sem valer.

Em seguida, Kléber entrou no lugar de Wendel e quase deu o primeiro gol ao Palmeiras, impedido por Júlio César em chute de Gustavo.

Com quase 50 mil torcedores no estádio, depois da "parada técnica", o Palmeiras botou Denílson no lugar de Alex Mineiro e o Corinthians pôs Héverton no lugar de Rincón.

A verdade é que a superioridade técnica individual do alviverde não preponderava sobre a armação tática mais cuidadosa do alvinegro.

E se o empate não era ruim para o Corinthians, era muito ruim para o Palmeiras.
Então, aos 30, Lulinha foi desarmado por Diego Souza na saída de bola corintiana, Diego serviu Kléber que chutou forte e cruzado, Júlio César ainda defendeu parcialmente, mas Valdívia chegou antes de Carlão e fez o gol que deixava mais justo o marcador.

Aos 35, na base do tudo ou nada, Carlão saiu, entrou Lima no Corinthians, que via uma invencibilidade de 10 jogos, graças aos seus zagueiros, ir para o espaço.

No minuto seguinte, Diego Souza, no contra-ataque, perdeu gol feito, ao chutar em cima de Júlio César. E deixou o campo para entrar Martinez.

A ordem era manter o resultado, embora estivesse claro que o Palmeiras poderia ampliá-lo.

Mas deu certo e o Palmeiras permanece vivo no Campeonato Paulista, além de ter vencido seu quarto clássico seguido contra o rival.

Não é pouca coisa.

No confronto direto, o Palmeiras amplia sua vantagem, com sete vitórias a mais que o Corinthians.

0 Cornetadas:

Postar um comentário | Feed



 
^

Powered by Bloggerblogger addicted por UsuárioCompulsivo
original Washed Denim por Darren Delaye
Creative Commons License